Mulher será indenizada em R$ 150 mil após passar meses com bebê morto

A mulher reclamou diversas vezes à equipe médica que sentia dores

Após negligência no atendimento do pré-natal da gestação, os municípios de Diadema e São Paulo deverão indenizar a gestante.

A mulher reclamou diversas vezes à equipe médica que sentia dores, que o bebê não se mexia e a barriga não crescia. Com 32 semanas de gestação, ela descobriu que o feto havia morrido com 10 semanas.

A gestante ainda descobriu que, após o término da gravidez, o feto foi descartado em “aterro sanitário”, sem a lavratura da certidão de óbito, o que a impediu de realizar um enterro para o seu bebê.

A mulher ajuizou ação contra as prefeituras de São Paulo e Diadema, alegando que houve conduta negligente por parte dos médicos durante o pré-natal. Segundo os autos, a gestante questionou o médico que acompanhava a sua gravidez, já que seu feto não se mexia e sua barriga não estava crescendo. De acordo com a mulher, o médico a tranquilizou, afirmando que a barriga dela continha pouco líquido amniótico e por isso estava pequena.

Quando estava com 32 semanas de gravidez, a gestante sentiu fortes dores abdominais e notou que estava sangrando bastante.

Em atendimento, a mulher foi informada que o bebê estava bem e foi receitada apenas uma pomada para o tratamento do corrimento.

Os sangramentos continuaram e, no dia seguinte, ao retornar ao hospital, a mulher descobriu que o feto havia morrido há 22 semanas. O feto foi retirado da barriga da mãe e levado sem autorização.

Gostou? Compartilhe!