Relator vota por absolvição de Salles em condenação de 2018

O julgamento ficou definido que vai continuar em 5 de novembro.

O Tribunal de Justiça de São Paulo começou a julgar e postergou para 5 de novembro a decisão sobre o recurso do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, contra uma condenação em 1ª instância em 2018 por improbidade administrativa.

O processo diz respeito ao período em que Salles era secretário estadual do Meio Ambiente. Para o Ministério Público, ele cometeu fraude no processo de plano de manejo da área de proteção ambiental (APA) da várzea do rio Tietê, em 2016, para favorecer empresas.

A condenação saiu em dezembro de 2018, e a apelação começou a ser analisada nesta quinta pela 1ª Câmara Reservada ao Meio Ambiente.

O primeiro voto do julgamento foi do relator, o desembargador José Helton Nogueira Diefenthaler. Ele votou pela absolvição dos réus: Ricardo Salles e Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que também foi condenada em 1ª instância no mesmo processo.

Os outros dois juízes desembargadores que julgam o caso, Marcelo Martins Berthe e Reinaldo Cintra Torres de Carvalho, pediram vista.

Em nota, os advogados Marcelo Knopfelmacher e Felipe Locke Cavalcanti, que defendem Ricardo Salles, disseram que "ficaram muito satisfeitos com o voto do relator”.

Gostou? Compartilhe!